Leia a sinopse do enredo da Unidos de Vila Isabel para 2020

Leia a sinopse do enredo da Unidos de Vila Isabel para 2020

A Unidos de Vila Isabel promoveu festa no sábado, 14 de julho, para lançar o enredo para o Carnaval 2020. Homenageando a cidade de Brasília, a azul e branco apresentará Gigante pela própria natureza: Jaçanã e um índio chamado Brasil, que será desenvolvido pelo carnavalesco Edson Pereira.

Sinopse

Gigante pela própria natureza: Jaçanã e um índio chamado Brasil

Logo Unidos de Vila Isabel

Abriram-se as margens do rio ao sol nascente,

que esverdeava ainda mais a mata e azulava o céu incandescente,

para desvendar uma lenda indígena

que falaria a um pequeno índio-menino sobre uma relíquia.

E com o menino começamos a caminhada…

Perto do rio, o curumim levantou-se cedo – a pesca o esperava!

Animado na alma com a vida na mata,

bebeu escondido aluá e fartou-se com a pupunha da sua mãe que sempre o alimentava.

Beijou-a e sozinho, fingindo ser o homem que ainda não era,

pulou em sua canoa sem destino

rumo à peripécia que, os grandes, espera.

Pelo rio, com riso nos lábios e vontade de alegria na pescaria e na jornada,

o curumim gritava alto às águas para espantar Boiúna , ou tudo, ou nada:

 

“Eu sou Brasil! Tenha medo de mim!

Aqui quem fala é um pequeno gigante

que já pesca com vontade danada de gente grande!”

 

A canoa em frente, a flecha armada ,

curumim pescava e brincava baixinho para conseguir pegar a jatuarana sem espantá-la.

Com o sol forte da manhã, entretanto,

Brasil resolveu descansar do seu gracejo.

O pequeno deitou-se na canoa embalada pelo banzeiro

e adormeceu para sonhar o sonho dado ao miúdo bravo guerreiro…

A canoa, no mundo da fantasia, transformou-se em Jaçanã e partiu…

Levantou voo do rio e Brasil a tudo assistiu:

 

“Pequeno menino, quero lhe contar sobre a sua irmã tão mais nova que é quase filha!

Será forte e esperançosa, um ponto de luz no universo que nascerá em abril.

Sabe-se que ela terá muito a dar aos homens e mulheres de boa vontade na terra,

e que será grande, gigante, reta, moderna,

só podendo ser entendida se soubermos sobre sua pátria-família,

a verdadeira mãe e geradora da sua irmã nessa cantiga”.

 

A Jaçanã, montada pelo menino e com asas batendo forte,

foi primeiro para baixo cruzando serras no céu anil.

Mostrou ao pequeno Brasil um pampa aberto sob as estrelas, enorme!

 

Lá, irmãos brancos de cabeças amarelas montavam seres mágicos

e galopavam amarrando com laços outros bichos encantados.

Tomavam bebida quente em cuias e, Brasil, espantado, ouviu deles o recado:

 

“Mas o pranto, afinal, que essa cólera encerra

tomba: é a chuva que cai e que, o Paranoá, rega;

e a cada gota, ali, cada gérmen se apega

fecundando, a minar modernamente, toda a terra” .

 

Jaçanã levantou-se de novo voando para longe

dando adeus aos cabeças-amarelas que apontavam para outro fronte.

Brasil desconfiado não entendia o sonho: seria um delírio?

“Não, pequeno menino meu…” – disse Jaçanã. “É uma profecia!”.

Chegando em outro pedaço daquele mundão, Brasil viu irmãos orando e rodando

pedindo clemência pela dança a Deuses que o índio desconhecia.

O povo preto clamava igualdade e liberdade,

e na dor sofria

sem esquecer nunca a força ancestral que para sempre na resistência lhe caberia.

O povo preto um beijo deu na Jaçanã e ao Brasil declamou um pouco de crença

afinando a profecia:

 

“são duas asas unidas

de dois pajés construtores nascidas.

Talvez do mesmo arrebol,

vivendo toda a gente no mesmo chão arado e concretado,

da mesma gota de orvalho,

do mesmo raio de sol” .

 

O menino ainda não entendia… O que era essa tal profecia?

Jaçanã com pressa, pois sonhos têm prazo certo,

decolou e ali perto encontraram outro pedaço de terra

que misturava areia, água salgada e pedra.

A gente irmã suada do litoral também apontava para outro local

e embebida nas cantorias e Novas Bossas suas sinas,

misturando-as com palavras das Minas,

profetizou o futuro do seu passado para o menino:

 

“‘No princípio era o ermo

eram antigas solidões sem mágoa.

O altiplano, o infinito descampado

no princípio era o agreste:

 

o céu azul, a terra vermelho-pungente

e o verde triste do cerrado.

Eram antigas solidões banhadas

de mansos rios inocentes

por entre as matas recortadas.

Não havia ninguém. A solidão

mais parecia um povo inexistente

dizendo coisas sobre nada’ .

Mas…

‘Para cantar, pelas Duas Asas, de amor tenros cuidados,

Tomem entre vós, do mineiro cacique , a vontade e o instrumento;

Ouvi pois, dos Candangos, o fúnebre lamento;

Se é que de compaixão sois animados’” …

 

Jaçanã enfim pronunciou:

 

“Está vendo, menino Brasil, o que essa gente toda conta?

Querem amor e união em uma nova casa pronta!

Modelada por dois pajés , realizada pelo cacique e feita por nobres sofredores Candangos,

com a ajuda e a idealização de tantos outros de agora e de outrora ,

será o projeto moderno centro desse chão!

Nova pindorama de árvores retorcidas nascida porque filha dos filhos dessa terra em confraternização!”.

 

Voou então a ave para outro rincão

para mostrar uma família que tanto padecia

no sol lascado braseiro de testas, Vidas Secas e Severina !

Pés marcados no chão rachado e as mãos apertadas sem brecha,

todos da família oravam de joelhos pedindo esperança e bom agouro,

alguns dos futuros Candangos esses cabras-da-peste.

Quando viram Jaçanã e o menino Brasil, logo correram e apontaram para o Oeste:

 

“Ave Musa incandescente

do deserto do Sertão!

Forje, no Sol do meu Sangue,

o Trono do meu clarão:

cante as Pedras encantadas

e a Catedral Soterrada ,

Castelo deste meu Chão!” .

 

E, rápida, para o longínquo Centro-Oeste,

onde outros Candangos de lá já aguardavam ,

Jaçanã levou o pequeno Brasil.

 

Pousou no meio daquele cerrado e ela mesma, antes de sumir, sorriu:

 

“Brasil, no futuro essa profecia se revelará a um Padre-Santo

em outro sonho para se realizar em moderno Piloto Plano!

O que os cabeças-amarelas, os pretos,

os filhos do mar, das Minas e os futuros Candangos recitavam e apontavam

será aqui: sua irmã, o lugar de fé que unirá aquela gente, aquele povo todo,

para o mundo jorrando leite e mel com gosto…

A terra mística no alto desse Planalto

que se levantará tentando nos dar ‘sessenta’ anos em cinco de avanço sem percalço

com tanta gente junta que se esparramarão para além das Asas da casa,

deitando-se até em seu entorno

com as cores das suas culturas servindo de reboco!

Vem, menino Brasil, anime-se! Sua irmã Brasília será ave que voa e rodopia!”.

 

Deitou-se então no seu jazigo e, abrindo as duas asas,

Jaçanã ao chão se fundiu, o corpo inteiro tornando-se asfalto e magia.

Um pássaro que viraria casa para o Brasil, quem diria?!…

Daí a queda! A volta! Um clarão!

Uma marola sacudiu a canoa e acordou o bravo menino de supetão!

Brasil navegou ligeiro de volta não mais à toa

deixando as jatuaranas animadas na água boa.

Pé na margem, foi correndo contar para sua mãe o sonho da canoa!

“Mamãe, Mamãe! Sonhei com uma profecia!”.

A mãe no chão, sisuda de terra, ouvia…

Pediu calma ao menino, pois também tinha uma linda notícia,

e sorria:

 

“Filho meu, Brasil pequenino…

Descobri hoje com o xamã que você terá uma irmã!

Em sua homenagem se chamará Brasília!

Uma menina-Brasília que será gigante pela própria natureza!”.

 

Alma cheia d´água, o menino pressentiu:

sabia que cedo ou tarde sua irmã seria grande como aquele rio

e no futuro a filha da profecia!

Pensou na Jaçanã e feliz decidiu ir brincar:

quem sabe se o destino de todo mundo não é sempre para uma casa voltar?

Mas, se tudo isso é estória,

fato mais bonito (re)inventado do sonho de um curumim lendário talhado na memória,

a realidade é outra coisa…

 

 

 

Contudo, pede-se licença para imaginar contos de límpida felicidade no Carnaval

para nesses dias acalmar o sofrimento incessante do doloroso real.

Assim, Vila Isabel, canta essa Brasília irmã com o pequeno Brasil e sua Jaçanã,

a doce morada nos dada de encomenda

pelas bênçãos do céu azulado orvalhando o cerrado!

Bênçãos da Aparecida Nossa Senhora,

Padroeira dos filhos do Brasil e da nossa Brasília, desejosas de igualdade generosa!

Livrai-nos, Santa, da dor e do mal,

cravando nas retas da cidade as curvas do coração

desse povo bravo, heroico, sofrido,

estopim da chama da cidade candente de migração…

Ah, Brasília! Pois honrando tua inspiração

que caibam no teu seio muitos Brasis forjados pela oração!

Recebe-nos, Irmã, com lágrimas de misericórdia então

e cuida, enfim, dos gemidos da nação em oferenda,

pois na Sapucaí, só por hoje, saibam todos,

o resto tudo é tudo lenda…

Autores: Edson Pereira, Clark Mangabeira, Victor Marques

Texto e pesquisa: Clark Mangabeira e Victor Marques

 

Bebida refrigerante de origem indígena(https://luzdameianoite.wordpress.com/2015/11/14/alua-bebida-de-origem-indigena/).

Fruto amazônico consumido por muitos grupos (http://www.cifor.org/publications/pdf_files/books/bshanley1001/209_214.pdf).

“Figura da mitologia indígena representada por uma enorme cobra, muito temida por sua crueldade, que pode tomar a forma de uma embarcação ou, às vezes, de uma mulher, que faz virar os barcos. Etimologia: tupi mboi-úna” (michaelis.uol.com.bre www.ufmg.br/cienciaparatodos/wp-content/uploads/2012/08/leituraparatodos/e5_30-alendaamazonicadeboiuna.pdf). Para fins de esclareci-mento e curiosidade: “Dados linguísticos (e.g. Migliazza 1982; Rodrigues 1964; Walker et al. 2012), resultantes de análises léxi-co-estatísticas, são unânimes em apontar o sudoeste da Amazônia, na bacia do alto rio Madeira, como o centro de dispersão dos povos Tupi” (ALMEIDA & NEVES. Evidências arqueológicas para a origem dos Tupi-Guarani no Leste da Amazônia. MANA 21(3): 499-525, 2015) e (www.museudoindio.org.br/indios-da-amazonia/).

Para pesca com arco-e-flecha, ver: (g1.globo.com/sp/campinas-regiao/terra-da-gente/noticia/2016/02/indios-da-amazonia-ensinam-arte-da-pescaria-com-arco-e-flecha.html). Ademais, para fins de esclarecimento e curiosidade, conforme mapa constante na obra “The Amazonian Languages”, editado por R. M. W. Dixon e Alexandra Y. Aikhenvald, publicado pela Cambridge University Press, em 1999, houve etnias que falavam Tupi e Tupi-Guarani na Macrorregião Amazônica. No mesmo sentido, ver: NEVES, Walter Alves; BERNARDO, Danilo Vicensotto; OKUMURA, Mercedes; ALMEIDA, Tatiana Ferreira de; STRAUSS, André Menezes. Origem e dispersão dos Tupiguarani: o que diz a morfologia craniana? Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 6, n. 1, p. 95-122, jan.-abr. 2011.

Peixe encontrado na Bacia Amazônica.

Espécie de ave encontrada em várias partes do Brasil, do Sul ao Norte, e em terras amazônicas: (https://www.wikiaves.com.br/mapaRegistros_jacana).

Do poema “Germinal”, do poeta paranaense Emílio de Meneses (1866-1918), citado, no enredo, como homenagem a todo o Sul do Brasil, com pequenas mudanças e acréscimos para fins única e exclusivamente de condução da estória, de maneira a conectar o tema descrito na passagem do poeta àquele grupo que o enredo comenta, e retratado como parte da profecia de Brasília, dada, no sonho, ao menino Brasil (MARTINS, W. História da inteligência brasileira, vol. 5, São Paulo: Cultrix & Edusp, 1978. Poema originalmente publicado em 1901).

“Pajé é uma palavra de origem tupi-guarani utilizada para denominar a figura do conselheiro, curandeiro, feiticeiro e intermediário espiritual de uma comunidade indígena” (ref.: https://www.significados.com.br/paje/).

Do poema “A Duas Flores”, do poeta baiano Castro Alves (1847-1871), relacionado aos negros do Brasil no enredo, com pequenas mudanças e acréscimos para fins única e exclusivamente da estória, de maneira a conectar o tema descrito na passagem do poeta àquele grupo que o enredo comenta, e retratado como parte da profecia de Brasília, dada, no sonho, ao menino Brasil.

Citam-se “cantorias e Novas Bossas” para se referir ao período musical dos anos 1960, em especial carioca, com relação à Bossa Nova, que é o ritmo com o qual se entoa, no enredo, a profecia de Brasília e que se relaciona ao período modernizante de JK: “Neste espaço de tempo, surgiu o movimento Bossa Nova, numa realidade sócio-política e econômica distinta, com o advento do governo de JK (1956-1961), que tinha um projeto político para o Brasil de um aceleramento dos processos modernizantes, objetivando avançar cinquenta anos em cinco” (LUIZ, D. NASCIMENTO, L. Minha terra tem palmeiras – Imagens do Brasil na bossa nova. DARANDINA revisteletrônica – Programa de Pós-Graduação em Letras / UFJF – volume 4 – número 1).

A ideia de “futuro do passado”, cantada pelo “povo do litoral”, diz respeito a cariocas estarem declamando que o futuro, ou seja, a nova capital Brasília, é seu próprio passado, pois o Rio de Janeiro foi a capital anterior. Ademais, “Minas”, citada em referência a voz do poeta Cláudio Manuel da Costa, estabelece a relação com as Minas Gerais, onde nasceu Juscelino Kubistchek (Diamantina, 1902), retratado como o “cacique” do enredo, e com os Inconfidentes mineiros, que já haviam pensado na possibilidade de mudança da capital para o interior.

Trecho da obra “Brasília, Sinfonia da Alvorada”, com música e orquestra sinfônica sob a regência de Antônio Carlos Jobim

e poesia de Vinícius de Moraes (museuvirtualbrasil.com.br/museu_brasilia/modules/news3/article.php?storyid=24).

Refere-se aos chefes políticos ameríndios. Aqui, alusão metafórica a Juscelino Kubistchek.

Do soneto “Para cantar de amor tenros cuidados”, das “Obras Poéticas de Glauceste Satúrnio”, do poeta mineiro Cláudio Manuel da Costa (1729-1789), com pequenas mudanças e acréscimos para fins única e exclusivamente da estória, de maneira a conectar o tema descrito na passagem do poeta àqueles grupos que o enredo comenta – mineiros e “do litoral” –, e retratado como parte da profecia de Brasília, dada, no sonho, ao menino Brasil.

Referência metafórica a Lucio Costa e Oscar Niemeyer, retratados como os dois pajés que planejarão Brasília no enredo.

A possibilidade de interiorização da capital já havia sido ventilada pelo Marquês de Pombal e foi retomada pelos Inconfidentes mineiros. Ademais, o verso se relaciona a outros personagens envolvidos na construção de Brasília, como Joaquim Cardozo, arquiteto e engenheiro que também contribuiu com monumentos arquitetônicos da cidade. Para isso, ver: VIANA, Enaildo Gonçalves. Brasília, epopeia do povo brasileiro: uma reflexão constitucional. REPATS, Brasília, V. 5, nº 2, p 781-798, Jul-Dez, 2018.

Pindorama: do tupi, uma das acepções da palavra é uma terra mítica e livre de males. No enredo, Brasília aparece como a nova Pindorama, agora, ao invés de palmeiras, com árvores retorcidas em razão do cerrado. (Fonte: vortex-mag.net/pindorama-o-verdadeiro-nome-do-brasil-antes-de-chegarem-os-portugueses & diariodori-o.com/brasil-o-pais-de-nome-vermelho).

Referência aos romances “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos, e “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto, no sentido de enfatizar o sofrimento e a migração do povo nordestino, tal qual descrito nessas obras.

Vale ressaltar que parte da Catedral de Brasília está abaixo do nível do solo, daí, no enredo, ser colocada como “Catedral Soterrada”. Ademais, o “Trono” deve ser entendido como a própria cidade, metaforicamente referenciada.

Trecho de Ariano Suassuna, escritor paraibano, relacionado aos nordestinos e retratado como parte da profecia de Brasília no enredo, dada, no sonho, ao menino Brasil. Disponível em: SUASSUNA, A. Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

Grade parte dos trabalhadores que construíram Brasília vieram do Nordeste, conforme a Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, intitulada “Cidade, trabalho e memória: os trabalhadores da construção de Brasília (1956-1960)”, de autoria de Reinaldo de Lima Reis Júnior, defendida em 2008. Contudo, houve trabalhadores também de outras localidades do Brasil, como Goiás, São Paulo e Minas Gerais.

Referência à profecia de Dom Bosco sobre Brasília que fala sobre “a terra prometida, de onde jorrará leite e mel”.

Referência ao bordão de JK “cinquenta anos em cinco”, alterado para “’sessenta’ anos em cinco”, em homenagem ao aniversário de sessenta anos de Brasília.

Homenagem às cidades-satélites no entorno de Brasília, que, com ela, mantêm relações históricas, sociais, afetivas e culturais.

“Pássaro” é uma referência comum ao formato do Plano Piloto (QUEIROZ, Ana. O Plano Piloto de Brasília e a busca da cidade ideal: utopia, arte e mitologia. ArtCultura, Uberlândia, v. 9, n. 14, p. 157-167, jan.-jun. 2007).

“Xamã” é palavra análoga à pajé (ref.: https://pib.socioambiental.org/pt/Xamanismo).

Curta facebook.com.br/revistacarnaval.
Siga twitter.com/revistacarnaval.
Acesse instagram.com/revistacarnaval.
Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*